10 ferramentas básicas em uma marcenaria

0

Ter uma oficina em casa é mais que ter um espaço para fazer seus trabalhos manuais: é uma verdadeira terapia que proporciona horas de desintoxicação mental. O trabalho manual desocupa a mente de forma saudável. E não estamos propondo fugir dos problemas do dia-a-dia, mas uma atividade para que possa proporcionar carga nova para que possamos resolver nossos problemas de forma mais lúcida, calma e saudável, certo?

Por isso sempre nos perguntam quais as ferramentas que devemos ter para começar uma oficina hobby, que procuramos responder neste artigo. É claro que tudo depende do orçamento disponível, mas você pode adquirir suas ferramentas aos poucos e quando menos esperar terá uma oficina completa e impecável!

O primeiro a se definir é qual o tipo do seu trabalho principal: móveis, pequenas peças de madeira, manutenção residencial, jardinagem? Com isso em mente, podemos começar a fazer uma lista. Neste artigo focaremos no trabalho em madeira, que é parte principal do Empoeirados, e listaremos as 10 ferramentas básicas para se montar sua oficina de marcenaria. Vamos lá!

1. Trena

trena de 3 metros

Você não vai precisar de uma mega trena: uma trena de 3 metros já é suficiente para o trabalho de marcenaria. Além do mais, são mais leves que as trenas longas (essas últimas são mais úteis em obras e trabalhos de contrução). Um fator importante é a qualidade dessa ferramenta, para evitar o erro de medição. Uma boa trena tem uma fita forte, que não risca facilmente e dá leitura clara e fácil, ideal para os amadores e iniciantes. Algumas trenas possuem uma proteção de nylon sobre a gravação para garantir uma vida útil mais longa, embora não seja indispensável, este item garantirá que sua trena poderá ser deixada de herança! Tá ok, ninguém monta uma oficina para deixar como lembrança, mas vai dizer que quando visitamos as antigas oficinas dos pais ou avós não bate aquela nostalgia, hein? Dica adicional do Empoeirados: nós, particularmente, preferimos ter uma trena que mostre apenas milímetros. Já que não trabalhamos em polegadas, as trenas que trazem ambas escalas deixam a leitura mais difícil.

ATENÇÃO: As pontas de metal das trenas parecem estar soltas, mas elas são assim mesmo e têm um motivo. Veja nosso vídeo sobre ponta de trena solta e entenda a razão!

Trena: https://goo.gl/kXRSOJ

2. Réguas de aço

régua de aço inox

Régua de Aço Inox com Gravação em Baixo Relevo

Se réguas são um item indispensável em qualquer casa, imagine em uma oficina! Acho que é a ferramenta que mais usamos, sem sombra de dúvidas. Mas um ponto importante a se observar é se são feitas de metal (aço ou alumínio). As réguas de aço são fortes e permitem uma marcação muito precisa dos seus trabalhos. Para se ter uma ideia, a régua que usamos até hoje aqui na oficina era do pai do Leandro, que comprou antes dele nascer (pra se ter ideia de como pode durar muuuuuuuito mesmo, rsrsrsrs…) e ainda está em perfeitas condições. Se puder, adquira mais de uma medida e dê preferência às réguas com acabamento acetinado (sem brilho) que são mais fáceis de ler, especialmente em ambientes internos onde as luzes refletem em muitos pontos. Aqui em nossa oficina temos de 15cm, 30cm, 50cm e 100cm. Uma ferramenta bem bacana também são as escalas de alumínio pois são leves e com números grandes, mas é preciso ter cuidado com elas pois ao cair da bancada podem amassar facilmente.

régua de alumínio

Régua de Alumínio com Escala Impressa

Réguas de aço inox > https://goo.gl/NGbtK3

Réguas de alumínio > https://goo.gl/8AE9SU

3. Graminho

graminho de roda

Graminho de Roda

Ora, um graminho? Sim, um graminho. Ferramenta básica, simples, antiga e perfeita para marcações de encaixes. Tente fazer as marcações com esquadros, lápis e réguas e depois faça com um graminho; aí me diga o que achou. Você vai perceber a diferença rapidamente. O riscador de aço já faz uma marcação precisa, fina, além de fazer um sulco para acertar o formão no começo do entalhe. Além disso, temos um tutorial bem bacana mostrando como fazer um graminho, leia também!

Graminho > https://goo.gl/Ay6aHF

4. Malho ou maço de madeira

malho de madeira

Malho, ou Macete, de Madeira

O malho de madeira é essencial para trabalho de entalhe com formão. Por ser de madeira, não vai estragar o cabo de sua ferramenta. Além do mais – e pode até parecer bobeira – o som que faz ao bater no formão é muito gostoso de ouvir! Uma pancada forte, mas com um som “amadeirado”, rsrsrsrsrs… Brincadeiras à parte, o malho é mais útil do que parece: também deve ser usado para bater na madeira para enciaxes mais apertados, ou inserir cavilhas e insertos de madeira. Um tamanho de malho médio será bastante útil em sua oficina e também temos um vídeo de como fazer um malho de madeira aqui em nosso blog. Assista e divirta-se!

Maço de madeira japonês > https://goo.gl/DGr4JG

5. Jogo de formões

formão para madeira

Formões Japoneses

Indiscutivelmente um item que não pode ficar de fora. E tem que ser daqueles que permitem uma boa afiação. Formões de baixa qualidade (que se compram até em supermercados) são bons para quebrar coisas, cortar arames, etc… mas para fazer encaixes de precisão é preciso ter um bom jogo de formões. Sobre as medidas: se montar um jogo com três medidas (6, 12 e 18mm) você já terá ferramentas para a maior parte dos trabalhos de encaixes. Mas escolha uma marca bacana para que possa ir montando seu kit aos poucos.

Formões japoneses > https://goo.gl/Jrzrsk

6. Esquadro de carpinteiro

 

Juntamente com a régua, o esquadro está mais presente na bancada do que pendurado no quadro de ferramentas. Usamos muito mesmo. Também é imprescindível até mesmo para montagens de armários pré-fabricados, para garantir móveis bem alinhados. E essa é uma ferramenta que tem muitas variações em suas medidas e ângulos. Se sua verba não der para comprar um bom esquadro combinado (não compre os baratinhos chineses, por favor), escolha um que possa mostrar ângulos de 90 e 45 graus. Uma dica importante é testar o ângulo correto do esquadro antes mesmo de comprar, e por isso fizemos um vídeo que mostrar como saber se um esquadro está no esquadro mesmo. (Esse vídeo é de muita importância para nos dar uma base de como escolher um bom esquadro e assista assim que tiver um tempinho ou, porque não?, agora!)

esquadro japonês

Esquadro Japonês, Útil para Medir Altura de Serras e Fresas

Além dos esquadros de carpinteiro, existem esquadros específicos para traçados em caibros e sarrafos como os esquadros japoneses. Além do tipo de esquadro, o material também pode variar (aço inox, alumínio, latão , etc), e atendem à praticamente todos os usos requeridos, tanto para conferir ângulos precisos quanto para medir altura das fresas em mesas de tupia.

esquadro de carpinteiro

Esquadro de Carpinteiro com 90 e 45 graus

Detalhes a ser verificados no momento da compra: verifique se a escala é gravada na régua (e não apenas impressa) para maior durabilidade; dê preferência aos feitos em aço inox; escolha boas marcas pois os que são vendidos em lojas de 1,99 são, em sua grande maioria, fora de ângulo.

Esquadros > https://goo.gl/iYVsnV

7. Riscadores

Assim como lápis e caneta, riscadores devem estar sempre à mão. Porquê? Bem, linhas feitas à lápis ou caneta em madeiras escuras não são facilmente visíveis. Além do mais, um riscador não suja o seu material com tinta ou grafite e ainda marca metais como latão, aço, alumínio, etc.

riscador

Riscador Starrett

Um uso muito útil do riscador é marcação de furos. Fazer furos alinhados sem antes fazer uma marcação é praticamente impossível. Por isso a ponta do marcador tem que ser bem “apontada” para garantir o centro preciso do pré-furo.

Riscador > https://goo.gl/Vr26nN

8. Plaina

plaina japonesa

Plaina Japonesa

São ferramentas ótimas para desbastes limpos, alinhamentos de laterais de tábuas, chanfros retos ou redondos e remoção de marcas de serras. Existem diversos modelos disponíveis no mercado que atendem à todos os bolsos e fins. Uma plaina bem confiável são as japonesas de madeira. São simples de usar, ajustar e afiar. São as que eu mais gosto e podem ser utilizadas tanto puxando quanto empurrando. Os modelos ocidentais de metal têm muitas peças que mais atrapalham que ajudam no manuseio, por isso é uma sugestão bastante pessoal aqui. De qualquer forma, plainas devem fazer parte de qualquer oficina.

Plainas japonesas > https://goo.gl/l05hV1

9. Grampos

Grampos são a terceira mão de um marceneiro e do hobbista básico. Os grampos servem para segurar as peças no lugar certo para colagem, corte, marcações, etc. Os grampos mais simples, conhecidos como grampos “C” ou sargento são bastante úteis e têm preço bem acessível. Por isso dizemos que grampos nunca serão suficientes! A cada compra de uma nova ferramenta, compro também um grampo.

grampo de aperto rápido

Grampos de Aperto Rápido Permitem Trabalhar com Apenas uma Mâo

Se sua verba der, compensa comprar os grampos de aperto rápido. Entre as várias vantagens desses grampos, destaco a possibilidade de se trabalhar com apenas uma mão para apertar o grampo. Além disso, alguns modelos permitem inverter a posição da cabeça para que ele funcione também como um “macaco” simples, que é muito útil para descolar peças de madeira, ou para pressão de colagem invertida, como no interior de caixas por exemplo.

Grampos de aperto rápido > https://goo.gl/KQqGvD

10. Serras, serras, serraaaaaas!!!

Sim, sim, sim… somos loucos por serras. Temos várias, de diversos tamanhos e dentições, para funções variadas e materiais diferentes. Temos para corte de bambu, cortes cruzados, cortes em ripa, cortes de precisão, cortes de luthier e encaixes. E somos fãs dos serrotes japoneses justamente pela variedade que esse mercado oferece. É incrível como a gente chora depois de experimentar um serrote japonês… anos apanhando dos serrotes ocidentais e quando pegamos um serrote japonês pela primeira vez é um alívio. Sim, alguém inventou uma ferramenta de corte manual precisa e fácil de usar.

serrote ryoba

Serrote Ryoba para Cortes Cruzados ou de Ripa

O acabamento então, nem se fala. Madeiras duras não precisam nem ser lixadas (de verdade!). Cortam como manteiga e cansam menos. Uma das diferenças gritantes é o sentido do corte, já que ele corta no sentido de puxar e não empurrar. Sabe quando está serrando uma madeira e de repente a ferramenta trava? Então, quando acontece no sentido de empurrar é muito chato, além de entortar muito a lâmina. Com o corte no sentido de puxar a probabilidade de torçâo da lâmina é bastante baixa. E esse sentido de corte permite a fabricação de lâminas bem mais finas que os tradicionais serrotes de carpinteiro.

serrote dozuki

Serrote Ryoba para Cortes de Precisão

Ah, trabalhos como encaixe tipo rabo de andorinha ficam perfeitos depois que se pratica com esses serrotes. Para resumir esse tópico, o ideal é ter um Ryoba e um Dozuki (serrote de costa). Assim você terá opções de corte para quase todo tipo de trabalho em madeira. Uma observação: o serrote Ryoba tem dentes dos dois lados da lâmina. De um lado temos dentes mais finos para cortes cruzados (perpendiculares ao veio da madeira); do outro lado temos dentes maiores para cortes de ripa (no sentido do veio da madeira).

Mas se não acredita na gente, ainda assim é bom ter pelo menos dois serrotes básicos em sua oficina: o serrote de carpinteiro de lâmina com uns 30cm e um serrote de costa para fazer encaixes e cortes mais precisos. Com essas duas ferramentas estará bem servido!

Serrotes japoneses > https://goo.gl/iyOlRJ

Espero que esse artigo ajude a escolher suas ferramentas e lembre-se: ferramentas de qualidade são importantes para um trabalho bem feito e, principalmente, pela segurança que oferecem.

Share.

About Author

Leave A Reply